Como perder o medo de viajar SOZINHA?

Exatamente em 12 de março de 2019, encerrei meu noivado e tomei uma das melhores decisões da minha vida: transformar a jornada que seria minha lua de mel em uma jornada de autodescoberta e férias para mim. Eu sei que ele compartilhou muitas opiniões, mas eu rio dessa situação toda vez que me comparo com Carrie Bradshaw no filme Sex and The City, quem se lembra?
Mas o que ele poderia fazer? Os ingressos já estavam agendados e uma troca praticamente paga. Os únicos detalhes que faltavam eram um hotel em uma das paradas, seguro de viagem e dinheiro extra, como posso dizer não?
Tanto quanto me lembro do momento exato em que disse a minha mãe que não haveria mais casamento – enquanto eu chorava pela primeira vez no meu colo no sofá em casa – e o seguinte diálogo:
"Então você não vai mais. viajar? "
"Vou"
"Sozinho?"
"Será no mês do meu aniversário e já paguei por tudo, não vou parar com essa bagunça"
(acho que na época não achava que realmente iria viajar; Eu acho que ninguém fez isso comigo quando eu disse – mas como todo mundo já sabe, eu fui)
Euzinha com rosto e coragem no aeroporto de Cumbica, minutos antes de enfrentar mais de um mês de viagem (ALONE)
É claro que no começo eu estava muito empolgado com tudo isso. Desde agosto de 2018, comecei a pagar (por mim e meu querido ex) a troca que seria nossa lua de mel, porque vimos que era a opção mais barata para viajar e explorar um lugar como seria o sonho de A que eu tinha desde que eu tinha. 10 anos.
Os ingressos comprados na Black Friday foram o resultado de quase dois meses verificando todos os sites para ver se eles seriam acumulados ou se um bilhete seria mais acessível. Além disso, antes de ir para o destino final, parei quase cinco dias em Nova York – o destino dos sonhos. Responda novamente: como você diria não a tudo isso? Levou quase dois anos para economizar e ainda levou quase seis meses para poder adicionar o dinheiro que faltava.

MAS …

Parece que não serve para tudo, sabe? No começo eu disse a todos essa "loucura" que eu ia fazer. No entanto, com o tempo, tudo parecia exatamente o oposto do que eu queria. O problema não era que eu gastaria mais da metade do que paguei por uma troca em um hotel de Nova York por menos de uma semana, mas que não fazia sentido experimentar apenas porque havia planejado isso junto com outra pessoa.
I. ele repetiu para mim: "se eu tivesse escolhido sozinho, teria feito tudo de forma diferente", "teria escolhido outro país, outro destino", "teria passado mais tempo", isso e aquilo. BULSHIT! Comecei a me desculpar por algo que era apenas o medo que me dominava.
A verdade é que, durante muito tempo, parei de fazer as coisas que gostava por medo. Sim, eu tinha pavor de viajar sozinho. Parece que a garota que já havia viajado por quase todo o país já havia ido para o exterior e sei que ela sempre quis viajar para lá, tinha medo dela.
Talvez eu não tenha medo de viajar sozinha, mas talvez sempre tenha escolhido querer companhia ou não sair da jaula em que vivi.

Como assim?

Exatamente há dois anos, descobri que tinha dinheiro quase suficiente para fazer uma troca e que seria capaz de pagar por tudo. Ou até mesmo a tão esperada viagem a Londres e Paris. Mas eu tinha namorado, sabia? E quando saímos às vezes, somos estúpidos o suficiente para não ver as coisas. Eu não tinha dinheiro para ir e você quer fazer as coisas com a pessoa, porque será melhor e blá, blá. Além disso, eu estou indo sozinho? HAHAHA, eu nunca poderia fazer isso sozinho. Ele disse. Mas mesmo antes de ter ou não um namorado, eu sempre gostei disso: "uau, quem vai tirar minhas fotos?", "A viagem deve ser uma merda", "como se divertir sozinha?", "E se algo acontecer, para quem eu vou? ? "," é perigoso, especialmente como mulher … ".
Foi quando, a certa altura, decidi gastar esse dinheiro em minha longa viagem internacional e com ele dizendo: "VOCÊ. NÃO PASSA SOZINHO" com todo esse drama, que acabei decidindo, no último minuto, viajar sozinho para outro estado – em Minas Gerais – que eu sempre quis conhecer e durante uma semana de moda que mudou minha vida. Foi definitivamente a primeira vez que fui sozinha a um lugar completamente desconhecido e só queria sair da jaula. Finalmente consegui um pássaro grátis.

Ah, como eu sinto falta de Belo Horizonte

Ps, eu sempre vou para SP sozinha, mas não considero um grande problema porque, de qualquer maneira, eu morava lá e eles levam isso em consideração. toda parte de lá.

O resultado

Pela primeira vez em muito tempo, me senti completamente bem comigo mesmo. Percebi que para viajar, a única empresa de que precisava era minha empresa. Eu estava pensando muito na época e disse que não cometeria o mesmo erro, que não deixaria que outras pessoas ou qualquer coisa decidissem minha vida. Então, quando eu disse à minha mãe que, em 12 de março, eu iria enfrentar tudo isso, estava dando o primeiro passo para finalmente assumir o controle da minha vida.
Se eu estava desesperado e muito ansioso para discutir isso em terapia? SIM! Como eu disse, essa seria minha lua de mel. Mas, como meu psicólogo sempre me dizia: você lutou por isso e pagou por tudo, agora só precisa viver. Isso mesmo. Sempre queremos as coisas, mas sempre colocamos obstáculos no caminho de não fazer o que queremos. ]
Queremos viajar, mas dizemos que não temos dinheiro. Então, que tal você começar a economizar dinheiro para realizar esse sonho? Ah, mas não há ninguém para tirar nossas fotos durante a viagem e agora? A coisa mais fácil que você pode fazer em uma viagem é tirar fotos, especialmente em locais turísticos. Quantas selfies eu achava que teria no meu celular durante essa viagem, principalmente em NY, e na verdade eu tinha as fotos mais incríveis possíveis de outros turistas que: a) se ofereceram para tirar fotos antes e depois se ofereceram para tirar as fotos. meu; b) o tripé é para isso e c) entra na cara e na coragem, pede a vários que tirem suas fotos até que uma foto seja tirada.
Ah, mas viajar é apenas perigoso. Pode ser perigoso viajar, mas viver no mundo, não importa onde você esteja, é perigoso. Lembro-me de ler no final do ano o relatório de uma garota que foi a Paris e a princípio tinha medo de sofrer um ataque terrorista no ano novo, mas no final ela disse: "se eu morrer hoje, isso aconteceria em qualquer lugar". Claro, temos que tomar precauções, mas não é um bug de 7 cabeças. E nós somos brasileiros, já temos o Brasil como uma escola preparatória.
Deve ser tão ruim não encontrar ninguém durante a viagem … É quando tudo na sua vida pode mudar, eu juro. Somente no aeroporto de SP encontrei um amigo que era modelo indo para Dubai e, como eu estava atrasando meu voo, conversamos por horas. Aproveitei e incorporei um grupo de pessoas que também estavam indo para Nova York e descobri pessoas indo ao mesmo tempo e podemos trocar figurinhas. Na verdade, ouvi dizer que aqueles que ficam em um albergue conhecem pessoas de todo o mundo. Além disso, na troca, não ter ninguém comigo me deu a oportunidade de tirar a camisa e fazer amigos de todo o mundo. pedir desculpas e começar a desfrutar de nossa própria empresa. É enriquecedor viajar sozinho e, quando isso acontece, você se sente mais preparado para superar qualquer obstáculo. Após esses 39 dias de viagem, mal posso esperar para passar mais tempo fora e fazer novas lições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *